Seguidores

Translate

sábado, 7 de junho de 2014

Quão, somos Quão.

texto de: José Maria Souza Costa.

Máquinas voadoras, motos, seja lá, o que for, são armas no transito. Quer seja na mega metrópole, quer seja, na mais simples cidade do interior. E nestas, a febre, são as motocicletas. Possuí-las, induz-lhes, um sentimento de posse, de poder, e, de diferenciado. Tudo bobagem. Em algumas cidades interioranas, deste meu Brasil brasileiro, não roga-se, pela habilitação, como exige, o Código Nacional de Transito. E, nem pune-se,  o transgressor. Nestes confins do meu " deus", o que prevalece é a violação, do Direito. E o que percebe-se, são meninos e meninas, transformando as ruas, em pistas de disputas, sob  aplausos, e a glória da omissão, de quem, a Lei exige, o que, faça-se, Cumprir.  E assim, ele assassina o vizinho, e nós, apenas lamentamos.  Busca, os nossos amigos, e nós, de plantão, culpamos o destino. E de repente, esse mesmo transito, busca, um dos nossos entes querido, aí choramos e nos mal dizemos, por que a sorte não beijou a nossa responsabilidade, e esquecemos, que nas paralelas das tragédias, expõe-se o espelho da desgraça, que teimamos, em não querermos enxergarmos.
Quantos conhecidos, amigo escolar, de formação juvenil, você conhece, que o transito assassinou, com: 15, 17, 21 ou 22 anos de idade ?
Creio, que não basta, creditar somente a triste estatística, ao trânsito. Mas, nos educarmos, para com o trânsito. Por que, trânsito, também significa a circulação de pessoas, e não tão somente, de carros, motos, e afim. Entendo, que deveria ser matéria curricular, nas escolas, como comportar-se, no ou, em trânsito.
Um corpo esparramado na pista, o olhar solitário, e a lágrima, borrando o rosto, por que ela estará sempre, à procura de lamentos. A morte.
Ceifa-se, a vida juvenil, no trânsito, por que, em uma esquina qualquer do tempo, a lição vaza pelas janelas do, " isso não vai acontecer comigo", portanto, acelera-se, mais e mais, ainda que encharcado de álcool, drogas, entorpecentes diversos, e pedrinhas de bolinar.

34 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Muito atual e bem escrito texto. Gostei muito.
José Maria, tenha um bom fim de semana.
Um abraço,
Renata

✿ chica disse...

Crônica bem escrita, cheia de lucidez! faz pensar! abraços,lindo fds! chica

Crocheteando...momentos! disse...

Bem atual e atualizado seu texto!

Boris Estebitan disse...

Gran texto, hay que cuidar la vida aunque seamos jovenes, saludos.

Sonia Tolfo disse...

Um belo texto! Compartilho das tuas preocupações!
Abraço, bom final de semana!
Sonia

Eduardo Maria Nunes disse...

Não somos máquinas voadoras,
andamos no chão, não somos motos
somos só e somente pessoas
uns são direitos outros são canhotos!

Obrigado pela visita,
desejo para você um bom fim de semana, um abraço.
Eduardo.

Magia da Inês disse...

°❤❤彡º°。
É a triste realidade... dedo na ferida:nós aceitamos. Também somos culpados.
Ótimo texto, muito bem escrito.

Bom fim de semana!
Beijinhos.

✿✿° ·.

Darío disse...

Una locura, una terrible realidad que nos habla del desinterés por el otro. Un abrazo.

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Lindo texto José Maria e um grande alerta!

O cuidado é pouco nesse trânsito maluco principalmente aqui em S.Paulo,vemos tantas mortes,ou por falta de cuidado ou por pessoas dirigindo alcoolizadas,ou essas motos que passam por nós quase nos espremendo à outros automóveis.De repente você está parado,abre o semáforo e você é surpreendido por um doido,com sua moto voadora e atinge seu carro e aí você acaba sendo o responsável por tê-lo atingido.
Obrigada pela visita e um ótimo domingo.
Carmen Lúcia.

ONG ALERTA disse...

Emundei bem que o trânsito é a guerra do século, precisamos entender que apartir do momento que saímos de nossas casas fazemos parte de um trânsito, sendo motorista ou pedestre....
O homem criou o trânsito e fez dele este caos agora cabe a ele consertar,
Abraço Lisette.

ONG ALERTA disse...

Emundei bem que o trânsito é a guerra do século, precisamos entender que apartir do momento que saímos de nossas casas fazemos parte de um trânsito, sendo motorista ou pedestre....
O homem criou o trânsito e fez dele este caos agora cabe a ele consertar,
Abraço Lisette.

Donetzka Cercck L. Alvarez disse...

Excelente texto para refletirmos sobre a insanidade dos tempos atuais,Jose.

Desculpe a demora da visita,mas minha conexão estava péssima.

Beijos e uma semana de alegrias

Donetzka

Face Book:


https://www.facebook.com/donetzka.cercck

Twitter: @donetzka13


Blog Magia de Donetzka





luís rodrigues coelho Coelho disse...

Um tema actual e de grande responsabilidade.
Ter carta de condução e mota ou carro são sinais de emancipação e de responsabilidade.
Nem sempre os condutores têm estes factores e tornam-se em assassinos nas estradas de todo o mundo.
Todos os condutores deveriam ter aulas de boa educação e de boas regras para se protegerem e protegerem a vida das outras pessoas.

Sgroya P disse...

A mi no me va a pasar.. frase que oímos de labios de muchas personas que se sienten invulnerables, pero la vida se encarga de demostrarnos que nos equivocamos..
Que tengas un buen inicio de semana, Saludos!!

Adenildo Bezerra disse...

Triste realidade, essa violência tétrica no trânsito. A imprudência é tamanha, que, cotidianamente, morrem mais gente nas ruas, avenidas e rodovias do que em uma guerra civil na África, por exemplo. Temática oportuna, Zé. Abraços!

Lulu Mari disse...

Legal
http://linslogen.blogspot.com.br/

Alexandra Abarca disse...

Feliz domingo.
Ale-Costa Rica

MARILENE disse...

Os jovens são os mais atingidos porque pensam ter a vida inteira pela frente, sem saber que esse inteira pode ter seu fim na próxima curva. Também creio que noções sobre trânsito deveriam fazer parte do currículo escolar. Desde cedo há que incutir nas mentes, e por muitas outras razões, o verdadeiro conceito de responsabilidade. Abraço.

Jovem Jornalista disse...

A intolerância domina o trânsito. Ninguém respeita ninguém.

jj-jovemjornalista.com

O tempo das maçãs disse...

Um retrato perfeito da nossa realidade... Pessoas irresponsáveis criam filhos irresponsáveis, com eles próprios e com os outros e as escolas não querem pegar mais essa responsabilidade, a de ensinar o que era obrigação dos pais e o resultado é esse que relata tão bem no seu texto.

Obrigada pela visita.

Beijo.

Maria De Los Ángeles disse...

Hola José María, como te he prometido aquí estoy con mucho gusto en tu blog.
Me ha dado mucha alegría verte en mi casa, que desde ahora es tuya.
Espero que nos sigamos visitando muy a menudo.
Te mando un saludo desde Madrid

Marcia Pimentel disse...

Olá, José!
Muito bom o texto. Quando eu tinha oito anos, perdi uma amiga da escola que foi atropelada em frente a escola por um carro que vinha em alta velocidade. Infelizmente ela morreu na hora. Gostei muito do texto.
Beijos e abraços!

Marcia Pimentel

apenas rhamona disse...

Obrigada querido por se fazer presente em meu blog...conheça o outro também...http://angynhadiabinha.blogspot.com.br/?zx=a9571a7a4ff3ba77


beijos..rhamona

Graça Pereira disse...

Por este Portugal "pequenino" é a mesma coisa... Importa é mostrar poder e sobressair para quem não tem mais nada a oferecer.
Remorso? O que é isso??
Fica a saudade e a angústia para quem perdeu um ente querido e o sorriso de indiferença para quem a sua quota de poder (julga ele) está no Top...
Gostei do teu texto.
Abraço
Graça

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde,
O seu texto é magnifico, faz uma chamada de atenção ao ser humano que gosta de bens matérias para se exibir e mostrar que é o posso e mando.
Abraço
AG
http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

idolidia gonzalez disse...

Pues vengo del blog de Luzmaria y tambien te sigo. Te invito al mio

http://migraninversionamway.blogspot.com/

Un calido saludo!

Carlos Hamilton disse...

Meu amigo quero te desejar um excelente final de semana.

Abraços

Graça Pires disse...

Um texto real, lúcido e triste. Gostei de ler.
Abraço.

Pérola disse...

Uma realidade deveras aflitiva e atual.

Ótima reflexão.

Beijinhos

ReltiH disse...

MUY REFLEXIVO TU ARTICULO.
UN ABRAZO

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Bom dia, José Maria, sua crônica vem fortalecer todas as preocupações referentes ao assunto: TRÂNSITO. Ele por si não é o vilão,mas sim, as pessoas inconsequentes que fazem uso dele.Infelizmente, ainda veremos muitas mortes causadas por seres incapazes de usar o bom senso nas ruas, lugar livre para todos. Muito bom. Grande beijo!

Antonio Pereira Apon disse...

Num país que tem "lei que pega", "lei que não pega" e as pessoas exaltam o tal "jeitinho", buscando sempre "levar vantagem em tudo". Impera a desordem, a ilegalidade e institucionalizam-se tantos descalabros e dissabores. Triste gente inconsciente, inconsequente e leviana.

Um abração e uma boa semana.

Beatriz Bragança disse...

Amigo José
Um óptimo artigo sobre um assunto muito importante.
Em Portugal, a Polícia vai às Escolas para ensinar sobre Prevenção Rodoviária.
As crianças e os jovens gostam e ficam alertados.
É uma boa ideia,não acha?
Um abraço
Beatriz

Leila Bomfim disse...

Olá José Maria

Obrigada pela visita em meu blog. Adorei seus textos.Quanta sensibilidade! Um abraço forte...