Seguidores

Translate

terça-feira, 30 de abril de 2013

Saludo


Texto de: José Maria Souza Costa.



Luz da minha vida, e esperança da minha alma
Eu te saudo, com a alegria de uma felicidade infindo.


Luz de mi vida, y esperanza de mi alma
Yo te saludo, con alegría de una felicidad infinito.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Soneto de Contemplação.

Poema de José María Souza Costa.



Eu te amo calado, e no silêncio do meu contentamento
Busco na sua plenitude contemplar os nossos ensejos.
Navegamos sem quimeras com as rimas do sentimento
Sem deixar-se  afogar-se,  na vulgaridade dos desejos.

É no silêncio do leito, que ressoa a excitabilidade do prazer
E desflora  entre fronhas e lençóis, o palpitar do coração.
Eu te amo, eternamente abraçado com o tempo do querer
Há suscitar na alegria, em par, o bailado de cada pulsação.

Eu te amo tanto, e deixo-me embriagar com o reluzir do teu olhar,
Por que o mar que faz a alma navegar, transborda em alumbramento
De ir e vir, aonde não existe espaço, à murmúrios e arrependimento.

Eu te amo tanto, que façamos dos nossos abraços um acolhimento.
E por toda a minha vida, quero dar-te o mais puro dos sentimentos,
E que juntos possamos contemplar em vida, todo o contentamento.

                          *****************
español

Yo te amo callado, y  en el silencio de mi contento
Busco el su plenitud contemplar  los nuestros deseos.
Navegando sin quimeras con las rimas de sentimiento.
Se dejarse ahogase, en las vulgaridad de los deseos.

Es en el silencio de la cama, que resuena la excitabilidad de placer.
Y desflora entre las fundas de almohada, el palpitar del corazón.
Yo te amo, eternamente abrazado cón el tiempo de querer
No provocar de alegría, en par, el bailado de cada pulsación.

Te quiero mucho, y dejome embriagar con el brillo de sus ojos.
Por qué el mar que hace la alma navegar, desborda en alumbramento
Ir y venir, donde no hay espacio, para  murmullos y el arrepentimiento.

Yo te amo tanto, que hacemos del nuestros abrazos un acogermento.
Y por toda la mi vida, quiero darle el más puro de los sentimientos.
Y que juntos podemos contemplar len vida, todo el contento.

               ****************************
italiano.

Io amo la pace e nel silenzio della mia contentezza
Io cerco il meglio contemplare  i nostri desideri.
Vela senza chimere con le rime del sentimento
No volgarità lasciò annegare negli stessi desideri.

E 'nel silenzio del letto, che risuona l'eccitabilità del piacere.
E desflora tra federe e lenzuola, il cuore che batte.
Ti amo, eternamente abbracciati in tempo di bisogno.
Ci suscitare gioia, alla pari balletto ogni impulso.

Ti amo tanto, e mi permetta di ottenere ubriaco con lo splendore dei tuoi occhi.
Perché il mare è il surf anima, trabocca nella alumbramento.
Vanno e vengono, dove non c'è spazio, i mormorii e rimpianto.

Ti amo così tanto, facciamo i nostri abbracci di hosting.
E per tutta la mia vita, voglio darvi il più puro dei sentimenti.
E insieme possiamo contemplare la vita, tutta la contentezza.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Corpo.



Poema de:  José María Souza Costa.

É o aroma da tua pele que embriaga o meu querer.
É a tua voz, o teu olhar que seduz a minha mente.
É o aproximar da imaginação, que faz-me sonhar
Com você, com os seus beijos e com que sentes.

O teu corpo, é a minha sedução plena e descabida.
É o meu delírio refletido em desejos compulsivos.
É o nosso elo, entre a rítmica e os versos da vida.
Por que, o reluzir dos olhos fascinam-me em contemplação,
E o cheiro agradável da tua pele, embriaga a minha sedução.

                               * * * * *

español

Es el olor de tu piel que embriaga el mi querer
Es su voz, el su mirada que seduce mi mente.
Es el enfoque de la imaginación, que haceme soñar
Con ustedes, con los sus besos y con que siente.

El su cuerpo, es la mi seducción lleno y descabellado.
Es el mi delírio  reflejido  en deseos compulsivos
Es el aproximar, entre la rítmica y los versos de la vida.
Por qué, el relucir del ojos fascinanme en contemplación,
Y el olor agradable de tu piel, embriaga mi seducción.

                   * * * *
inglês

It is the scent of your skin that intoxicates my will.
It's your voice, your look that seduces my mind.
It is the approach of the imagination, that makes me dream.
With you, with her kisses and how you feel.

Your body is full and my seduction misplaced.
It is reflected in my delirium compulsive desires.
It is our link between the rhythmic verses and life.
Why, the glittering eyes fascinate me in contemplation.
And the nice smell of your skin intoxicates my seduction.



                 





quarta-feira, 17 de abril de 2013

Arari, de Brandt à Silva


Texto de José María Souza Costa.




* Em memória, há  mais um Aniversário da Morte, do  Clodomir Brandt e Silva, falecido em 22 Abril de 1998
Padre. Escritor. Jornalista. Educador. Político. Esportista. Fundador da Associação da Doutrina Cristã. Ainda que nascido na Cidade de Carolina, adotou a Cidade de Arari-MA, como sendo sua. Sonhou, e, a idealizou de um Tempo, à uma Era.

" Hoje, é a Cidade que posta-se agalanada a contemplar-te.
São os tambores sobre o coreto da saudade, que induzem a memória e desperta, por ti, as métricas da sabedoria.
Foi com, e, pelo Saber, que desbravaste uma Cidade, cercou-a com as leituras da comunhão, e a libertou com sermões de " Filosofia"  e, com  o " Notícias", induziu e a conduziu, em direção ao debate, por que nem  o embate, o fez retroceder do púlpito, ainda que houvesse alaúde, sem rabiscos, pelas linhas de " Folha Miúda".
Hoje em murmúrios, se agradece em cortesia, e os oriundos da filosofia, embriagam-se em lealdade, depois de explorar o contexto de " Colégio", "Política", Livraria, e, os privilégios de coisas e tal, admirado há magnanimidade, para decorrer com galhardia, com o explendor de um novo dia.
Brandt de Arari Silva de Clodomir, é o ir subjetivado conjugado com o seguir em conectivos, no presente do indicativo com o restauro de um doutorado, flagrado sem autodidata, de um tempo assim, quase sem fim, por fim, em que a orla do Mearim, regojitava banzeiros e mururus, para deslumbrar os " Olhos Verdes da Luzia" e seduzir as pororocas, em corrediças pulando sobre as barreiras, como se o tempo fosse um palco circense, osculando aningais em ritmos calientes, bordados por ágeis pincéis de água, em versões ribeirense, desvirginado no papel, o perpetuar de " Famílias Ararienses".
Ah, por que, cedes tu, o resplandecer de outrora em céus de brigadeiro, agigantado, e por não ser o derradeiro, de um terreiro enamorado sempre, pelo derradeiro.
A magia de ensinar, filosofar, encurtar no tempo, mesmo os passos dados no escuro, visionar o futuro, para colher o abraço abraçado.
No afã de um novo tempo, com ou sem fãs, é que nasceu um novo amanhã.
"
......................................................................................

Destaques, de Citações do Texto:

** Filosofia - Lecionou esta materia no Colégio Arariense.
*** Notícias - jornal semanal, fundado por ele.
**** Folha Miúda - Um dos seus romances ( lido por este bloguista )
**** Colégio - É o fundador do Colégio Arariense.
***** Política - Elegeu-se Vereador, e, perdeu uma Eleição para a Prefeitura de Arari. Mas, sempre fez politica partidária na Cidade.
***** Livraria - Fundou uma que chamava-se, Livraria São José.
****** Luzia Dos Olhos Verdes - Outro romance de sua autoria lida por este bloguista.
******* Assuntos Ararienses - Outro livro publicado por ele. Este ainda não li. Mas, sei que possui 02 volumes. E tantos outros documentários.
..........................



...... espanhol.


Hoy, es la Ciudad que apostase agalanada a contemplarte
San los tambores sobre el quiosco de la nostalgia, que inducen la memoria y despierto, para usted, la métrica de la sabiduría.
Foi cón, y ,
por Saber, que desbravaste una Ciudad, rodeado de las lecturas de la comunión, y la libertou con sermones de "Filosofía" y con el "Noticias", dirigiu y la conduciu el debate, por qué no hacer de la colisión, el reducido desde el púlpito, aunque que no había laúd, sin garabatos, por líneas de "Hoja Pequeña".
Hoy en susurros, se agradece de forma gratuita, y los oriundos de la filosofía, se emborrachan en la lealtad, después de explorar el contexto del "Colegio "," Política ",  Librería, y los privilegios de cosas,y tal,  admirado por la magnanimidad, que transcurra con gallardía, con el esplendor de un nuevo día.
Brandt Arari Clodomiro Silva, es el ir subjetivación en relación con los siguientes conectivas, de tiempo presente así, con la restauración de un doctorado, atrapado sin autodidacta, un tiempo bueno, casi interminable, por último, en el borde de Mearim, regojitava banzeiros y mururus para deslumbrar "Ojos Verdes de Lucy" y seducir a los taladros en las diapositivas saltando sobre las barreras, como si el tiempo fuera un escenario de circo, osculando ritmos aningais calientes, cepillos de bordado para el agua ágil en Ribeirense versiones, desvirginado papel en la perpetuación de la " Familias Ararienses".
 
Oh, ¿por qué, usted cede, el otrora brillante en el cielo de brigada, gigantesco, y no ser la última, siempre enamorado de una yarda en el último.
La
s magic de enseñanza, filosofando, acortar el tiempo hasta los pasos en la oscuridad, imaginando el futuro, para cosechar el abrazo se abrazaron.
Por el afán de un nuevo tiempo, con o sin admiradores, es que naceu un nuevo mañana.


.........  inglês.

Today, it is the City that put up agalanada you to contemplate
San drums on the bandstand of nostalgia, that induce memory and awake, for you, the metrics of wisdom.
W
as with, and by Saber, who desbravaste a City, surrounded it with the readings of the communion, and delivered sermons with "Philosophy" and the "News" led and led toward the debate, why do not the collision, the scaled back from the pulpit, even if there was lute, without squiggles, lines of "Tiny Leaf."
Today in whispers, is thanked for free, and those from philosophy, get drunk on loyalty, after exploring the context of "College "," Politics ", Bookstore, and privileges and such things, admired for magnanimity, to elapse with gallantry, with the splendor of a new day. Brandt Arari Clodomir Silva, is the go subjectivizing in conjunction with the following connectives, in the present tense with the restoration of a doctorate, caught without autodidact, a time well, almost endless, finally, on the edge of Mearim, regojitava banzeiros and mururus to dazzle "Green Eyes of Lucy" and seduce bores in slides jumping over barriers, as if time were a circus stage, osculando aningais rhythms calientes, embroidery brushes for agile water in versions Ribeirense, desvirginado role in the perpetuation of "Families Ararienses."
Oh, why, you cedes, the erstwhile glittering in the heavens brigadier, gigantic, and not be the ultimate, always enamored of a yard at last.
The 
magic teaching, philosophizing, shorten the time even the steps in the dark, envisioning the future, to reap the embrace embraced.
On the eagerness of a new time, with or without fans, is born a new tomorrow.

sábado, 13 de abril de 2013

Olhar Continuado

Poema de: José Maria Souza Costa




Você que me completa
E, não deixa acender o sinal de alerta.
É por você, que o meu olhar flerta.

Você, é o meu farol metricado em versos
É o meu ponto de exclamação, anexo.
É a curva em um tempo refletido e convexo.
Eu te amo.

.............  espanã

Usted que mí completa
Y no deja encende el señal de alerta.
Es por usted, que  mis mirada flirtea.

Usted, es el mi faro metricado en versículos
Es el mi puento de exclamación, anexo
Es la curva en un tiempo reflejido y convexo.
Yo ti amo.

.............italy


You Complete Me
E, che non si accende il segnale di avvertimento.
's per voi, che i miei flirta sguardo.

Sei il mio faro in versi metricado

È il mio punto esclamativo, l'allegato.

Curva si riflette su un tempo e convesso.

Ti amo.



quarta-feira, 10 de abril de 2013

A Poesia de Samara Volpony - II


Poema de Samara Volpony.



Toca o sino na Matriz.
Nas procissões imaculadas,
Segue o povo súplice
Dobrando-se em Ave-Marias:

- Salve Ave-Maria, salve Santa!

Do seu lugar divino, olha-os, Deus.
Clamam os fiéis em sacro fervor:
-Riqueza, dinheiro, poder!
Murmurante peço a Deus:
- Livrai-nos de toda insignificância.
- Amém !

........ españa
.

Toca el timbre en la matriz
En las procesiones inmaculadas
Segue el pueblo en súplica
Doblandose en Ave María:

- Salve, Ave María, Salve, Santa!

De su lugar divino, mírar nosotros Díos.
Clamam los fieles en el fervor sagrado:
Riqueza, Dinero, Poder !
Murmurando pieda a Díos
Libertanosotros de toda insignificancia.
- Amém !


...........italy

Suona il campanello nella Matrice
I
ncontaminata nelle processioni
Seguire le persone imploranti
P
ieghevole in Ave Maria:

 
- Salva, Ave Maria, Salva Sancta !

Dal suo luogo divino, li guardo, Dio.
C
lamore fedeli in fervore sacro:
Riquezas, denaro,  potere!
Mormorando chiedere a Dio:
Ci-Deliver da ogni meschinità.


      

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Inconfidências

Texto de: Rafael Belo.



Mensurando a mentira interna,
Externa a imagem adestrada, castrada
No desequilíbrio malévolo do médico-monstro,
Posto à sério no mistério da névoa dos rostos.

Impropérios ao sincero olhar moroso,
No malicioso gosto das diversas dualidades drásticas,
Do jeito de interpretar as lástimas.

Bipolaridades múltiplas de multidões no exílio,
Sem martírio de permanecer fora do ar.
Faceta esbofeteada na sarjeta de estar
No mínimo, na negação de se autoconfidenciar.
.............................................................................

** Rafael Belo.
é  Brasileiro-Sulmatogrossense, e, autor do blogue:
http://olharesdoavesso.blogspot.com
A quem lhes convido, à visitá-lo.
.............................................................................

.....español

Mensurando de la mentira interna,
Externa  la imagen adiestrada, castrada
En desequilibrio malévolo del médico-monstruo,

Posto a serio, en misterio de la niebla de los rostros.

 

Improprerio al honesta mirada lento,
En malicioso gusto de las diversas dualidades drástica,
Del
manera de interpretar las lastima.


B
ipolaridades múltiples del multitudes  en el exilio,
S
in martirio de permanecer fuera del aire.
F
aceta abofeteada en la alcantarilla de estar,
En minimo, en la
negación de autoconfidenciar.