Seguidores

Translate

sexta-feira, 30 de março de 2012

O que achas, do Namoro Virtual ?

de: José Maria Souza Costa

Esta arguição, foi-me feita, por um dos muitos notavéis seguidores, deste blogue.

- Ora, oras, Risoletas Vermelhas, como deves saber, sou um bloguista adolescente, totalmente desligado desse de assunto. Na verdade, jamais cheguei a imaginar que houvesse esse tipo de relacionamento. Mas, como é sabido, no Brasil, adolescente escreve o que quer, fala o que bem quer,age como quer, não frequenta uma Igreja, não expõe sua fé, e ainda é convidado a palpitar.

Estou escrevendo isto por mim. Em um mundo real, ponho-me a imaginar que o Masculino, procura e aproxima-se do Feminino, fitar-lhe os olhos, tomar-lhes pelas mãos, mira-lhes os lábios e diz: " Confesso perante este céu, que te mo, sacrificarei todo o meu tempo em prol de ti, e permanecerei vigilante ante a ti, do nascer ao pôr do sol, até derramares sobre mim, todo o colossal encanto que vaza dos seus olhos e reluz nos meus. Quero afogar-me  em seus desejos,  surfar na onda do contentamento, rumo ao delírio de uma alma que me fascina. E costurar com as linhas do teu coração, o nosso sentimento de amado, e despejar no coalho da candura, todo o meu prazer, e levar você, embrulhada na alma dos meus sentimentos."

Depois disso tudo, fico imaginar, o  Masculino ante uma musa. Agora, imagine-se conquistando alguém de Corpo e Alma. Mesmo com pouca idade, deve-se  procurar a família da amada, visitar os pais, pedi o Feminino em namoro, mesmo que o pai fique com aquela cara de quem chupou limão, e regojitou jiló. Na verdade, para os humanos, as veredas são muitas, e os objetivos, quase muito pouco.

E o namoro virtual ?

Não sei dizer do que trata-se,nem como começou e muito menos como termina, e nem para onde vai. Ainda sou do tempo dos bailes, onde dança-se agarradinho com a cabrocha, aonde deixa-se o queixo apoiar-se no cangote , e a boca sussurrar em um ouvido. E nesse dois pra lá, e mais um pra cá, as coxas rossam-se contra coxas, os umbigo beijam-se, e assim a noite fica mais curta, por que os pêlos arrepiam-se, e os dois corpos, como fossem um só, embalam-se enamorando-se.

E o namoro virtual?

Faço um esforço, para entender isso. Mas chegará um tempo, em que encomendar-se-ão, esperma pela "web," e surgirá uma geração de enlatados humanos psicóticos aminóticos, desvairados por teclas e computadores. Mas, talvez, no namoro virtual, o grande " feitiche", seja economizar a glade, e fazer do dedo no teclado, um prazer.

Na verdade, não tenho opinião formada sobre namoro virtual,  nem tenho namorada, mas se tivesse, certamente gostaria que fosse de Carne e Osso, afinal, tenho quase certeza que o indivíduo humano, ainda é composto sem atalhos. Mas, com gozos e prazeres mil.



segunda-feira, 26 de março de 2012

TEMA DE UM RE- ENCONTRO


de: José Maria Souza Costa



Abraço-te, e abraça-me, por que as lágrimas, não podem interromper a aproximação dos passos.

Busco-te, envolvido (a) em um eterno laço, laceado, girante e balanceante, como se fossem fitas em compasso.

Hum..., aqueço-me, com os teus pensamentos, e invade-me a alma, com a leveza do teu riso e o cio da tua ternura.
É a vida, que seduz os sentimentos, e a cura, que cura os movimentos.



terça-feira, 20 de março de 2012

Para Viver um Grande Amor - Parte II




de: José Maria Souza Costa



Eu te amo, e amarei amando-te com todo o sentimento. Embriagarei embriagando a minha alma plena, e abraçarei abraçado com todo o olor amoroso do teu contentamento, que salivando o beijo beijado, reluz em uma próxima cena.

                             - Ah, eu te amo.

Eu te amo plenamente, e com esse licor embriagarei eternamente a minha sina, que borrifará na sedução do teu desvairo, e deixará deslumbrar-se, quando derramares o teu prazer, alimentando-se de quimeras, como se tudo fosse um sorridente mundo infanto-juvenil.

E assim, navegaremos com os sonhos, os escritos, e as fantasias abortivas da memória e colam-se nos muros das imaginações que parimos e rabiscamos em nosso céu de intimidades. Cada qual, desenha e redesenha as luzes das suas fronhas, e borda sussurros dos seus intimados cios. É por isso, que o útero geme, berrando pelo gozo da plenitude e a gema não cansa-se de falar de Amor.

Cotidianamente uma alma  berra procurando um par. Às vezes, até imagina-se que  amor mudou-se para a lua, e por isso, tantas vezes põe-se a namorar lagos, lagoas, e deixa-se refletir em águas como se fossem espelhos, revendo ali, o rosto da amada.

Mas, se a plenitude do desejo, é a imensidão do Amor, por que os sonhos, partem-se em pedaços ?


quinta-feira, 15 de março de 2012

CANTOS DA SEPARAÇÃO




de:  José Maria Souza Costa

Você deixa-me, e segues o teu caminho, apostas nas pegadas dos teus passos, aconselha-te, com as métricas do teu pensamento, e rabisca em momentos, todos os sentimentos, imaginando que o tempo revela a ponte que enlaça oportunidades e contentamentos.

Você deixa-me, e segues na direção de um lugar, que imaginas ser o teu alento, e que podes ancorar o barco da tua luta flutuado no oceano da tua ansiedade, sem perceber sequer, que registras no leme do teu coração, o vazio deixado no  pier da minha tentação.

Você deixa-me, por que o tempo é de sol, de fé, de esperança, e avança na direção de um céu estrelado de amizades, risos e sorrisos, braços e abraçados  abraços, que não te deixarão perecer na calmaria dos olhares desvirtuosos, e nem enfeitar-se com vaidades de vã, maldosos.

E assim, vai-se o tempo afogando a saudade de quem fica, por que o navegante arremeça o bote e parte pelo infindo mundo de um sonhar de indo

segunda-feira, 5 de março de 2012

Saudade




de: José Maria Souza Costa




O pensamento vagueando com a distância.
O tempo que passou.
O olhar perdido em um horizonte vagante e...
A alma que lamenta e chora,
Com o pedido de perdão, pelos erros de outrora.

O reencontrar.

O abraço abraçado sem rancor e lágrimas.
O riso margeado pelos idos, e pela saudade.
Quase tudo que passou-se, foi demais,
Até o elo perdido, que não volta nunca mais.

Uma ferida aberta e não contida,
O pedido pela Vida.
O sonho sonhado que vazou e...
Os braços abertos para perdoar, quem um dia te magoou.