Seguidores

Translate

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

EX GOLEIRO DO FLAMENGO (e amigo) VAI DEPOR NO - RJ

26/08/2010
Bruno embarca no Aeroporto da Pampulha, em BH, em direção ao Rio
Avião da Polícia Civil de Minas leva goleiro e Macarrão para audiência.
Justiça do Rio investiga supostos sequestro e cárcere privado contra Eliza.

O goleiro Bruno e Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, embarcaram às 9h40 desta quinta-feira no avião da Polícia Civil de Minas Gerais, no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, em direção ao Rio de Janeiro. Bruno embarcou primeiro, seguido por Macarrão. Os dois vestiam a roupa da Subsecretaria de Administração Prisinal de Minas Gerais. Veja ao lado vídeo do embarque.

Veja as fotos do embarque de Bruno e Macarrão em Belo Horizonte

De acordo com o subsecretário para Assuntos Penitenciários de Minas Gerais, Genilson Zeferino, o transporte será feito por um avião modelo Bandeirantes, com capacidade para 11 pessoas. Zeferino disse ainda que estarão no avião três policiais e três agentes penitenciários de Minas, além da tripulação e de Bruno e Macarrão.

Os dois serão levados até o Aeroporto Santos Dumont. Na capital fluminese, eles serão submetidos a um exame de corpo delito no IML e depois seguem a para audiência, em Jacarepaguá.

Os dois são réus, em Minas Gerais, no processo sobre o desaparecimento e morte de Eliza Samudio. No Rio de Janeiro, os dois são acusados pelo Ministério Público pelos crimes de sequestro, cárcere privado e lesão corporal contra a jovem em outubro de 2009, ao supostamente tentarem fazer com que ela abortasse o filho que seria do atleta.
Audiência em Jacarepaguá
De acordo com a Polinter, os dois ficariam um mês presos no Rio, para oito audiências do mesmo processo. No entanto, o Tribunal de Justiça do Rio não confirmou as outras sete audiências. O advogado dos dois, Ércio Quaresma, também afirmou desconhecer as sete audiências. De acordo com ele, mesmo que fossem oito, os dois teriam que ser transferidos de Minas para o Rio em todas as ocasiões.

De acordo com o Tribunal de Justiça, a primeira audiência de Bruno e Macarrão está marcada para as 14h de quinta-feira (26) na 1ª Vara Criminal de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio.
Ainda de acordo com a delegada, eles ficarão presos no complexo penitenciário até voltarem para Minas Gerais. O transporte até as audiências fica a cargo da Polinter.

Os dois não poderão receber visitas durante o período em que ficarem no presídio Bangu II, no Rio de Janeiro. A informação foi dada nesta quarta-feira (25) pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), acrescentando que os dois ficarão “em celas individuais e separadas”, e “não terão contato com os outros presos”

De acordo com o Tribunal de Justiça, na audiência de quinta-feira serão ouvidas cinco testemunhas de acusação, convocadas pelo Ministério Público.

Entenda o caso
Bruno é réu no processo que investiga a morte de Eliza Samudio. A Justiça de Minas Gerais aceitou a denúncia do Ministério Público contra o goleiro e outros oito envolvidos no desaparecimento e morte de Eliza. Fernanda Gomes de Castro, namorada de Bruno, foi presa em Minas Gerais.

O goleiro Bruno; Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão; Sérgio Rosa Sales; Dayanne Souza; Elenilson Vítor da Silva; Flávio Caetano; Wemerson Marques; e Fernanda Gomes de Castro vão responder na Justiça por homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado, ocultação de cadáver e corrupção de menor. Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, é o único que responderá por dois crimes. Bola foi denunciado por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Todos os acusados negam o crime. As penas podem ultrapassar 30 anos.

A pedido do Ministério Público, a Justiça decretou a prisão preventiva de todos os acusados. Com essa medida, eles devem permanecer na cadeia até o fim do julgamento.

Em 2009, Eliza teve um relacionamento com o goleiro Bruno, engravidou e afirmou que o pai de seu filho é o atleta. O bebê nasceu no início de 2010 e, agora, está com a mãe da jovem, em Mato Grosso do Sul.

A polícia mineira começou a investigar o sumiço de Eliza em 24 de junho, depois de receber denúncias de que uma mulher foi agredida e morta perto do sítio de Bruno.

A jovem falou pela última vez com parentes e amigas no início de junho.

O corpo de Eliza não foi encontrado. Mas os delegados consideram a jovem morta. Todos negam envolvimento no caso.