Seguidores

Translate

sexta-feira, 30 de julho de 2010

LULA CONVERSA COM URIBE DA COLOMBIA

30/07/2010 11h57 - Atualizado em 30/07/2010 12h29
Lula conversou por telefone com presidente eleito da Colômbia
Juan Manuel Santos toma posse no dia 7 de agosto.
Nesta quinta, Uribe criticou declarações de Lula sobre crise.

Nathalia Passarinho Do G1, em Brasília
imprimir
Juan Manuel dos Santos, candidato governista vencedor das eleições presidenciais na Colômbia Juan Manuel dos Santos, candidato governista
vencedor das eleições presidenciais na
Colômbia (Foto: AFP)

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva conversou nesta sexta-feira (30) por telefone com o presidente eleito da Colômbia, Juan Manuel Santos. Segundo o porta-voz da Presidência da República, Marcelo Baumbach, Lula considera que o telefonema "foi positivo e ajudou na preparação para a distensão do cenário” de crise entre a Venezuela e o governo colombiano. A posse de Santos está marcada para o dia 7 de agosto.

O porta-voz afirmou ainda que o presidente considera “superada” a polêmica acerca das críticas feitas pelo atual presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, a declarações de Lula. “Quanto à questão das declarações da Presidência colombiana, Lula acha que esse episódio está superado. Não comentou e não comentará”, afirmou Baumbach.

Nesta quinta (29), Uribe disse “deplorar” o fato de Lula se referir à crise diplomática como se fosse um "caso de assuntos pessoais". "O presidente da República deplora que o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, com quem temos cultivado as melhores relações, se refira a nossa situação com a República Bolivariana da Venezuela como se fosse um caso de assuntos pessoais, ignorando a ameaça que, para a Colômbia e o continente, representa a presença dos terroristas das Farc neste país", disse, em comunicado oficial.

O governante colombiano se referia a declarações feitas no dia anterior pelo colega brasileiro. Na quarta (28), durante visita do presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, Lula afirmou que é preciso "ter paciência" e esperar a posse de Santos para que o conflito seja revolvido.

A Colômbia denunciou diante da Organização dos Estados Americanos (OEA) que na Venezuela estão escondidos em torno de 1.500 guerrilheiros colombianos, acusação negada por Caracas e que provocou a decisão do governo de Hugo Chávez de romper relações com o país no último dia 22 de julho